Ninguém me falou nada!

Jamais imaginei que engravidaria com 20 anos. Foi tudo tão rápido, tudo tão inesperado, descobri no quarto mês de gestação. Não senti enjôo, tontura, náusea, olfato apurado, desejo, nada ... absolutamente nada! Tinha que “correr atrás do prejuízo”, trabalhava de segunda a sexta, paramos apenas entre Natal e Revellion e trabalhei até o dia anterior ao nascimento da Sophia.

Não tinha tempo nem $$$$$ para fazer cursos de gestantes. Quando me imaginava grávida, sempre sonhei e desejei fazer cursos, massagens, aprender shantala ... mas não pude fazer nada! Nem aqueles cursos oferecido pela maternidade pude fazer.

Sophia nasceu perfeita, sem nenhum problema. Mas e agora ... o que fazer?! Eu não sabia trocar fralda, dar banho, amamentar, segurar, fazê-la dormir ou brincar. Se perguntava para minha mãe, ela dizia que “Não lembrava mais nada”; as poucas vezes que conversei com a minha sogra ela também disse que “não se lembrava”. Se bem que foi melhor assim, precisei aprender TUDO na prática.

Trinta e um meses depois vejo que errei muito como mãe. A gravidez foi tão inesperada, tão não desejada que quando me vi “mãe”, me vi completamente perdida. Durante a gestação, foi tudo perfeito, afinal, não havia “quebra” na rotina. A barriga era grande, o peso era um “problema”, era só piscar que dava vontade de fazer xixi e se ficasse quieta por dois minutos, dormia. Ao nascer, Sophia me mostrou um mundo completamente diferente de tudo aquilo que eu conhecia, se bem que eu não conhecia nada sobre maternidade.

Não sabia que eu não teria mais cochilos depois do almoço; ninguém me falou que seria a última a dormir e a primeira a acordar (mentira, a segunda, afinal Sophia me acordaria). Não sabia mais que não teria controle sobre meu corpo nem de meu braço esquerdo conseguiria executar trabalhos dos mais variados, tão bem quanto o direito. Foi difícil entender que nos primeiros momentos eu não teria mais como fazer coisas tão simples na hora que eu simplesmente desejasse: comer, beber, tomar banho, assistir televisão, ir para o computador, dormir, conversar.

Os primeiros meses como “mãe” foram péssimos. Quem sabe eu tenha desenvolvido uma depressão pós parto, mas a situação era tão horrível que inconscientemente eu tenha bloqueado tal situação para não ficar tudo pior. O combinado era que minha sogra deixaria a casa em dezembro e ela só saiu em maio, três meses após o nascimento da neta (esta que ela insiste em não querer que a chame de avó); Morar na casa dos meus pais, eu e Sophia durante esse período, na incerteza se minha sogra sairia e não vendo o Ramon tomar atitudes quanto à isso; Embora nunca tenha sido uma aluna exemplar, se ver privada do estudo também não foi fácil, até hoje sofro quando preciso responder alguma ficha e não sei o que colocar em “profissão”.

Visito alguns blog, e há algum tempo muitas mães escreveram posts relatando o parto. Alguns me fizeram realmente pensar no meu parto. Será que poderia ter esperado mais 1, 2, 6, 10, 12 horas para ter minha filha naturalmente ou foi mais “cômodo” para mim tê-la por uma cesariana?! Embora soubesse que minha filha era grande demais para estar dentro da minha barriga e que havia saído da posição uma semana antes do parto, mas me questionei.

Sabe uma coisa que não tive e sinto falta: chá de bebê! Se me perguntavam se iria fazer, dava a desculpa que “como Sophia nasceria no início do ano, todo mundo estaria viajando de férias então seria difícil”... mentira! Acho que tinha uma certa vergonha de falar que estava grávida! Na época o Facobook ainda era novidade e a moda ainda era Orkut. As pessoas pediam fotos e eu não publicava, claro, eu não tirava. Tenho foto de grávida depois dos 8 meses. Antes disso não tirei nenhuma foto!

Sabem porque estou desabafando tudo isso hoje ... porque hoje me vi livre desse “peso” todo que carregava. Carregar Sophia nove meses na barriga não foi difícil; carregar 30 quilos a mais sobre o corpo não é muito fácil, mas carregar o peso da culpa é muito triste.

Estamos vivendo um momento muito difícil na minha família. Meus pais estão se separando e minha mãe e irmã saíram de casa e hoje moram comigo, Ramon e Sophia. Tudo isso me fez pensar o que eu quero para a minha vida, para o meu futuro, para a minha família. E para começar, para dar esse passo tão importante, preciso me “soltar” desse peso chamado CULPA!!!

Culpa por ter engravidado aos 20 anos do namorado; Culpa por ter ido morar numa casa que não era nem nunca foi minha; Culpa por não saber cuidar de um bebê que precisava somente de mim; Culpa por não poder mais viver a minha vida; Culpa por não ter uma profissão; Culpa por não ter o corpo que gostaria; Culpa por ter feito tanta coisa errada na adolescência; Culpa por não ter força de vontade de começar o regime hoje e precisar deixar para segunda-feira; Culpa por sentir culpa da vida não ser como eu sonhava, desejava, queria.




AI ... passou! Tirei alguns quilos de culpa das minhas costas, da minha vida, da minha mente, do meu coração.

MINHA princesa Sophia ... minha vida!



13 comentários :

  1. Oi Ma, as vezes desabafar é preciso!!! Espero que tudo ocorra bem de agora em diante!!! Tudo fique em seu devido lugar e essa culpa que vc sentia tenha ido embora definitivamente!!!

    Bjus...

    ResponderExcluir
  2. Eita amiga... tira essa culpa toda de dentro de vc e segue a vida!!! Procure ser feliz com o que vc tem hoje e não com o que gostaria de ter. Vai correndo atrás de seus sonhos que eles aos poucos vão se tornando realidade!!!  Beijo smil

    ResponderExcluir
  3. A culpa é algo que vem na bagagem qdo nos tornamos mães, penso eu que deve ser pq estavamos em conflito com nossa identidade, para melhor...e ai vem as questionações...faz parte...mas o importante é perceber qdo ela é perigosa ou não...Beijos

    ResponderExcluir
  4. Marcella, que bom que você se livrou de todas essas culpas... Isso mostra que você passou por uma fase de amadurecimento... Acho que todos nós passamos por muitas e muitas fases de amadurecimento e nunca estamos completamente maduros... Sempre temos algo a aprender e qualquer pessoa pode nos ensinar alguma coisa!!!
    Fico feliz em saber que você deixou tanta culpa, tristeza e mágoa de lado...
    Agora deixe seu coração aberto para muitas alegrias e boas novas!!!
    Tenho certeza que virão muitas!!!

    Beijos!!!

    Lívia.

    ResponderExcluir
  5. Parece que qdo planejamos e tudo tão dificil... E depois... tudo vai se ajeitando. TA LINDA !!!! Cris

    ResponderExcluir
  6. O importante é essa mamãe que vc é hoje, que escreve aqui, que vive esse amor!!! cris

    http://olhopreguicoso.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Ma eu aqui di novo. Seus pais estão se separando né, é dificil amiga também tenho pais separados e sei com é.
    Muito legal da sua ´parte acolher sua mãe e irmã em casa.
    E quanto as culpas, isso ja passou pois hoje você é uma super mãe e uma otima amiga virtual.
    Se precisa to aqui ta
    bjsssssssss querida

    ResponderExcluir
  8. Mon Maternité/Marcella27 de setembro de 2011 11:07

    Oi Cris querida!! Obrigada pelo carinho e atenção ... tenho que responder seu email, mas acho que dá para entender a correria dos últimos dias!!
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Mon Maternité/Marcella27 de setembro de 2011 11:08

    Obrigada querida ... palavras como a sua é que me fazem ter certeza de que estou no "caminho certo"!!! Beijos, 

    ResponderExcluir
  10. Má, tira essa culpa toda sim! O que passou passou! Nao importam as dificuldades pi que passamos na vida, e sim os ensinamentos que tiramos delas! E você amadureceu, aprendeu a dar valor às coisas que realmente tem importância e tornou-se uma excelente mãe! Tenha certeza que a Sophia terá muito orgulho de você! Forca pra sua mãe ! Nao deve estar fácil. Beijos

    ResponderExcluir
  11. Amiga, fico MUITO feliz por ver que você se livrou dessa culpa que não te fazia nada bem!Cada mãe age de um jeito quando o filho nasce e o que mais importa é prestar atenção onde está errado e mudar para dar o melhor para aquela criança que precisa da gente. Tenho certeza que você é a melhor mãe do mundo para a Sophia princesa e que ela não te trocaria por nenhuma outra mãe...E por falar em princesa, adorei essa foto feliz!! Dá até vontade de sorrir junto com a Sophia!Beijos amiga linda!Patywww.profissaomamae.blogspot.com

    ResponderExcluir
  12. Cai por aqui de pára quedas através do FB, seu post sincero me chamou atenção.
    Só de você colocar isso de uma forma bacana como vc colocou já mostra que você é uma ótima mãe, as coisas as vezes não são exatamente como sonhamos, o que importa é trilhar no caminho certo, e não posso dizer 100% convicta mas me parece que isso que vc está fazendo, né? Pela foto da sua filhota (linda) dá para ver uma criança feliz, e isso já é meio caminho andado.
    Boa Sorte! Gostei do teu blog, vou seguir!
    beijo
    Bianca

    ResponderExcluir
  13. Menina, tb tenho uma Sophia, que também veio sem planejamento, que nem era de um namorado (qdo confirmei a gravidez ele já estava com outra)... Sim eu já me culpei, chorei e quase entrei em depressão por ver que minha vida não é a que sonhava. Mas se Deus nos fez assim, quis assim, é porque Ele sabe a lição que devemos aprender. A culpa acompanha toda mãe consciente e que ama seus filhos. A gente sente culpa de deixá-los com outra pessoa pra ir trabalhar, sente culpa por não ter casado e ter que deixá-los com o pai e outra pessoa que não seja a mãe...
    Mas a saída que encontrei foi voltar pra terapia. É a minha válvula de escape. É assim que fui aprendendo que não somos vítimas SOMOS AUTORAS da nossa história. Bjos e conte com a amiga virtual que adora ler seus posts.

    ResponderExcluir

Copyright © 2013 Mamãe de Salto - Layout Personalizado por Giselle Carvalho