Vamos polemizar!?!?



Não sou do tipo de mãe careta, mas também não curto muita liberdade; não optei por alimentação orgânica nem prefiro a cheia de conservantes; não defendo parto natural, normal ou cesariana. Desde o primeiro dia de vida Sophia tomou leite artificial mas nunca experimentou petit suisse. Nunca slinguei e mas usei o canguru, embora não tenha visto muita praticidade. O pediatra mandou queimar o andador, mas confesso que usei até o dia em que Sophia deu seus primeiros passos sozinha. Em virtude de um início de icterícia e a recomendação de banho de luz por 12/18 horas, oferecemos uma chupeta na maternidade mesmo e hoje estou no processo de tirá-la. Sophia nunca teve quarto próprio nem nunca dormiu naqueles berços dignos de realeza com direito a jogo de lençol, protetores e poltrona de amamentação tudo combinando com a decoração do quarto ... pelo contrário, nos primeiros meses dormiu naqueles cestos de vime, depois foi para um berço desmontável, sempre no quarto da mamãe e do papai e hoje, com 2 anos e 10 meses (siiim, mesaniversário da princesa) divide a cama conosco porque temos hospedes devidamente instaladas no chão do quarto da princesa.

Descobri o grupo “Palavra Cantada” há pouco mais de três semanas, numa propaganda no canal Discovery Kids, que depois de dois anos e meio pudemos assinar TV a cabo e hoje deixo Sophia assistir bem feliz sua maratona de Backyardigans, LazyTown, Meu Amigãozão, Pocoyo e Barney, embora seu primeiro contato com algum vídeo infantil tenha sido depois dos sete/oito meses de idade.

Não estou aqui para dizer que EU sou o exemplo de mãe, seja boa ou má. Não estou aqui para defender ou criticar, mas sinto-me no direito de expressar a MINHA opinião sobre um “acessório” que já tinha me chamado a atenção em alguns textos e enquetes na blogosfera materna, mas que até ontem eu nunca tinha visto “ao vivo”. Na verdade, eu não sei sem como devo chamar o acessório em questão ... mas não tem outro: coleira infantil ou mochila-guia! Ontem eu vi uma avó passeando feliz com seu netinho com uma mochila coleira. Eu, minha mãe e todos que por eles passavam chocavam-se com o acessório!

Tá, eu sei que criança quando começa a dar os primeiros passos mais firmes, não anda, corre! E que elas não querem ficar no colo nem no carrinho e, andar em lugar super aglomerado de pessoas com criança pequena é “complicado” mas daí “encoleirar” a criança, numa espécie de limitar o espaço dela e garantir a felicidade de todos e bem estar no passeio, sinceramente, eu não consigo aceitar isso como legal, normal, saudável! E o pior, é que acho que isso não irá realmente traumatizar a criança, mas eu quero entender a cabeça dos pais.

Sophia, minha filha, quando começou a andar, não dava descanso quando saíamos. Era um tal de querer entrar em qualquer loja e pegar tudo o que estava ao seu alcance nas prateleiras do supermercado. Realmente, a gente pensava se valeria a pena sair para se irritar, mas não consigo visualizar a cena de “prendê-la”! por uma mochila, coleira ou qualquer que seja o método numa tentativa de “segurá-la” próximo a mim. Num movimento brusco ou uma disparada em busca de um chocolate, por exemplo, eu simplesmente “puxo” a “guia” e travo seu impulso?! EI ... cadê a voz ativa da mãe, pai ou responsável em ensiná-la o seu limite?! Pior ainda modelos que prendem no pulso, uma segurada e um pulso/braço quebrados. E a culpa será de quem ... da criança que quis sair correndo?

Em muitos momentos, sinto que o uso desse acessório tem maior importância para aquele que “prende” não para o que está “preso”. Se a mamãe está com o frutinho no shopping, por exemplo ... se o frutinho desejar entrar na loja de brinquedo, ele tentará entrar, a mãe irá “frear” seu passinhos, agora se a mamãe desejar entrar na loja de sapatos e bolsa, obrigatoriamente o frutinho terá que entrar junto. A vontade é de quem guia.

Se existem pessoas que acham um absurdo usar coleira nos cachorros e perdem horas, dias, semanas ensinando seus animais de estimação a andarem lado a lado, sem nenhum tipo de acessório, somente com adestramento porque uma mãe e um pai fariam o contrário com seu próprio filho, que é um ser humano, racional, em processo de aprendizado e sedento de informações e pronto para receber novos estímulos e ensinos?

Quem me perdoem os mais “modernos” e que venham as pedras, mas mamães de plantão, eu preciso abrir meu coração ... Não façam isso com seus frutinhos! Não façam isso com vocês!

Para pesquisa essa imagem no Google, precisei procurar por "Coleira de Pulso Infantil"

Seja ela mochila-guia ou coleira infantil ...


Para constar ... o nome do acessório em inglês é Harness Buddy ... se formos traduzir harness = arreio. Arreio é o conjunto de peças com que se aparelham os cavalos de sela ou de tiro




16 comentários :

  1. Na minha opnião ( Eu não aprovo) .
    Porque lá no tempo da vovó , elas tinha no minimo 6 filhos e nunca precisaram de coleira certo? ai vem mamães falarem ahhh mas estamos no tempo moderno , Moderno pra mim é cadeirinha de balanço que vibra sozinha pro bebê dormir , penico que toca musica quando a criança faz xixi , isso pra mim é pré histórico , mas parece o tempo de escravidão onde todos eram algemados credoo !

    Adorei o post linda !

    Bjks

    ResponderExcluir
  2. Nossa, Marcela! Concordo MUITO com a tua opinião. Acho que essas "coleiras" são coisas de quem tem medo de/não consegue controlar seu filho. Sim, a criança quando começa a andar fica agitada, quer correr, pegar tudo, etc. (estamos nessa fase com meu sobrinho mais novo), mas isso não justifica prendê-la. E o mais engraçado: normalmente eu vejo isso em crianças maiorzinhas, que já andam há tempo e que entendem o que pode ou não ser feito!!! Acho que muitas mães usam esse acessório com a desculpa "ele tá aprendendo a andar, precisa de firmeza, etc", quando, na realidade, é "não consigo controlar meu filho".

    ResponderExcluir
  3. Muito legal o texto. Ainda não tinha visto esse "acessório", mas já presenciei, quando trabalhava no zoo, professores que amarravam seus alunos para passearem no local. Triste... Onde está o poder do não? Pais, avós e professores têm que ter autoridade com a criança, não tentar frear suas descobertas.

    ResponderExcluir
  4. Não vejo nada demais... Já usei nos meus filhos, um bracelete.. preso no pulso deles e no meu... Usava muito principalmente quando íamos ao shopping... Com criança pequena todo cuidado é pouco.
    Acho que criam polêmicas demais por coisa tão simples... Melhor ter os filhos seguros e ao alcance dos olhos do que arriscar a perde-los no meio de uma multidão...
    Opinião de mãe de três filhos, dois adolescentes e um bebê.

    Beijos

    Flavi

    ResponderExcluir
  5. Outra coisa... Nunca meus filhos machucaram os pulsos ou coisa parecida rss...Até porque o material era feito daqueles tipo fio de telefone, meio sanfona. Meus filhos não saiam correndo feio loucos na minha frente não, sabiam andar juntinhos, mas criança quando vê algo que interessa esquece de onde está , ficam hipnotizados e vão em direção ao que está despertando interesse e nessas horas eu sentia que um ou outro estava afastando eu chamava... Vejo isso como uma ferramenta de segurança, afinal, quando colocamos eles no carrinho e botamos sinto estamos sendo agressivos? E quando prendemos eles na cadeirinha do carro, estamos sendo agressivos? Se você disser para seu filho não tentar sai do carrinho ou da cadeirinha, ele vai entender ou vai sair assim mesmo? Com o tempo eles vão crescendo e entendendo o que pode ou não pode... Enquanto isso, cuidamos nós de manter todos seguros.

    ResponderExcluir
  6. Eu nunca usei e não usaria, sempre deixo Eloise andar a vontade, e ela adora, e eu sempre vou atras monitorando. Quando quero sair para comprar alguma coisa pra mim, trato de ir sozinha, pois quando saio com ela, só tenho olhos para ela.
    Tudo é questão de limites.
    Bjinhus amiga linda

    ResponderExcluir
  7. Hahahaha
    desculpa,Marcela, mas tô dando risada aqui!
    Com certeza não é o intuito, frear, nem puxar, nem proibir de pegar um chocolate, nem nada desse tipo, para isso os pais educam, dão limites.
    SEM DÚVIDA, cada mãe tem a sua necessidade, seu ponto de vista, eu aiiiinda não usei, mas assim que houver necessidade, vou usar sim.
    Acredito que cada uma sabe onde aperta seu calo, e criar um filho, sozinha, sem ajuda de ninguém, só do marido, sem avós paparicando, sem tias, e ainda ter que me preocupar se vou na feira, ou num shopping cheio...é o fim!
    Em países desenvolvidos, as mães usam e ninguém fica criticando, acho tão feio ficas julgando os outros assim!
    Talvez, tu deveria ver qual o real motivo para usar a guia, e quais horas usam. Sem dúvida que não levo ele para passear com aquilo.Olha, concordo com a Flavi, tudo é questão de limiee, e de segurança!
    Não me leva a mal, mas é minha humilde opinião...
    beijos

    ResponderExcluir
  8. Esse assunto só é polêmico aqui no Brasil. Lá fora, é questão de segurança. Eu nunca usei na minha filha, mas não sou contra.
    Eu não encaro isso como tratar minha filha como um bicho, mas sim como questão de segurança. Vc não vai puxar a coisa pra parar o movimento. Ela que simplesmente verá que não dá pra ir mais longe. É diferente na minha opinião.
    Acho que é muito melhor usar isso num filho do que correr o risco de perdê-lo. Só uma mãe que já perdeu um filho em público consegue entender que é algo pra atestar a segurança e nao para maltratar.
    Minha mãe perdeu minha irmã no shopping Curitiba qdo ela tinha 3 anos. Foram apenas alguns minutos, mas eu lembro que foi desesperador!

    ResponderExcluir
  9. eu SOU CONTRA, mais é aquilo ne cada um pensa e faz as coisas de acordo com que achar melhor...beijinhos ♥

    ResponderExcluir
  10. Concordo com você Marcella. Não importa onde, qual cidade ou país, mas sinceramente é horrivel trazer uma criança na coleira. A beleza da vida é justamente a liberdade, ainda mais em se tratando de uma criança.

    ResponderExcluir
  11. Talvez se vcs perdessem o filho de vcs em qualquer lugar de muito movimento, pensariam diferente, não julguem pois o sentimento de desespero de uma mãe perder o filho é maior que qualquer babaquice dessas!!

    ResponderExcluir
  12. Vi que a autora já postou uma retratação a respeito do tom do texto, mas como vejo também que a maioria das mães que comentaram se mostraram chocadas com um acessório de segurança que consideram denigrante, tive vontade de comentar também.

    Vovó tinha seis filhos e não amarrava nenhum. Mas vovó não vivia em uma cidade perigosa. A molecada brincava na rua com os filhos dos vizinhos e todo mundo se conhecia. E vovó dava surra de cinto e botava de castigo ajoelhado no milho. E, se vovó tinha carro, andava com cinco amontoados e sacolejando no banco de trás e o de 10 anos no banco da frente.

    Na casa de vovó não tinha protetor na tomada. Nem disjuntor pra cortar a corrente se alguém enfiasse os dedinhos nos buraquinhos. Vovó dava doses cavalares de açucar pros seis. E o caçulinha morria de pneumonia.

    Quer dizer, o fato de outras mães, no passado ou no presente, terem sobrevivido sem um acessório em particular não o torna necessariamente inútil. A tabuinha de privada que comprei para a minha filha veio com um acessório para meninos, para o xixi deles não sair feito arco-íris e molhar o chão. Ainda não usei com o pequeno e pode até ser que funcione, mas acho que posso viver perfeitamente sem isso.

    Agora, quanto a amarrar o filho na gente... Ou por que não dizer amarrar a gente no filho? Quer maior acessório de proteção do que uma mãe ou um pai? E se a gente pudesse amarrar essa proteção no filhote pra ele não correr riscos? Porque eu vou andar solta do meu pequeno se posso estar ali presinha com ele, no meio de uma multidão?

    Quando vejo opiniões tão veementes contra o uso da mochila-coleira (veja bem, não tenho uma, mas imagino que se encontrar para vender, compro, sim), me dá a sensação de que corre mais risco o cão do que a criança. Mas o cachorro, se fugir, tá, a gente sofre, mas supera.

    E o filho? E se foge e atravessa a rua? E se sofre um acidente? E se alguém pega e leva embora? Será que depois não passa pela cabeça da mãe que não teria sido nenhuma humilhação ter andado presinhos um ao outro?

    ResponderExcluir
  13. Dona Papinha - Luana11 de agosto de 2012 18:41

    Sei da necessidade de usar, minha filha corre por aí, e acredito que se eu não cuidar ela vai embora com o primeiro que der um sorriso ou comida. kkkkk... Mas mesmo assim tb não me sinto confortável de colocar um acessório destes. Acho que se pode adequar os programas, horários, e principalmente a paciência. Beijos e parabéns por escrever o que sente.

    ResponderExcluir
  14. Fui p/ NY e vi muitas mães usando. Choca um pouco a primeira vista, mas p/ que funciona numa cidade como aquela. Viajarei no final do ano p/ um parque temático e vou comprar uma mochila coleira, só p/ me certificar de que minha filha ñ vai se perder de mim... A gente até tem voz ativa aqui em casa, mas c/ multidão ñ se brinca!

    ResponderExcluir
  15. MUITAS VEZES TENTO PENSAR QUE O BRASIL JÁ PODERIA SER CONSIDERADO UM PAIS DE PRIMEIRO MUNDO MAS INFELISMENTE ISSO AINDA ESTA LONGE DE ACONTECER.
    CANGURUS, SLING'S, MOCHILA COM CINTO OU COLEIRINHA, E MUITOS OUTROS ACESSORIOS QUE AS PESSOAS TANTO CRITICAM SAO COISAS INVENTADAS POR MAES QUE POR AMOR DE SEUS FILHOS OU POR COSTUMES DE TRIBOS OU COMUNIDADES CRIAM PARA O CONFORTO E SEGURANÇA DAS CRIANÇAS E DOS PAIS.
    TENHO UMA FILHA DE 2 ANOS E 3 MESES, ELA JA ANDOU NO CANGURU, SLINGOU BASTANTE, LEVOU UNS TOMBOS NO DISQUINHO E USA COM PRAZER O PINICO E O ASSENTO INFANTIL, ELA NAO FICOU NEM MAIS NEM MENOS ESPERTA OU DOENTE POR ISSO, MAS CONTINUA CRESCENDO SAUDAVEL, INTELIGENTE, FELIZ E CHEIA DE AMOR DA FAMILIA TODA. DEPOIS DE MAIS UMA COMPRA ESTRESSANTE NO MERCADO COM MINHA PRINCESINHA AGITADA, RESOLVI PROCURAR PARA COMPRAR A MOCHILINHA POUCO FAMOSA MAS MUITO CRITICADA.
    FILHOS, AMAMOS, MAS A QUESTAO É O SEGUINTE:
    NOSSA CASA NAO É UM SUPERMERCADO OU UM SHOPPING CHEIO DE GENTE OU A RUA SIMPLESMENTE, EM CASA EDUCAMOS FAZEMOS DE TUDO PARA TER FILHOS QUE OBEDEÇAM OS PAIS E OS MAIS VELHOS. EU PELO MENOS, OPTEI PARA FICAR EM CASA AO INVES DE TRABALHAR FORA PARA CURTIR E EDUCAR MINHA FILHA, POIS ANO PASSADO ELA ESTAVA NA CRECHE, E NUMA VIAGEM PARA EUROPA EU PERCEBI O QUANTO NÓS PERDEMOS A AUTORIDADE COM ELA DEVIDO AO FATO DELA FICAR MAIS TEMPO COM AS PROFESSOAS DOQUE COM NÓS, PAIS. ELA CHOROU, ESPERNIOU, DESOBEDECEU E OUTRAS COISAS. ENTAO EU PERCEBI QUE TEM HORAS QUE É MELHOR QUE NÓS MESMO FAZEMOS ALGUNS SACRIFICIOS E APROVEITEMOS ESTA FAZE DE CRESCIMENTO PARA EDUCAR E DAR AMOR E ATENÇAO.
    COMO FALAM DO SLING TAMBEM FALAM DA MOCHILINHA, QUANDO EU USAVA SLIG AS PESSOA (PRINCIPALMETE SENHORAS) ME DIZIAM: NOSSA MAS ELA NAO TA MUITO APERTADINHA AÍ? AI QUE ESQUISITO ETC.
    NO BRASIL É NORMAL "O ESTRANHO" PRA TUDO. TUDO QUE É NOVO CHEGA COMO ESTRANHO E POLEMICO.
    AI VC DIZ, SE USA COLEIRA É PORQUE NAO SABE EDUCAR, MAS PENSA BEM. COMO O BRASIL QUER QUE EDUQUEMOS NOSSOS FILHOS? PALMADINHA? NAOOO. VARINHA? TAMBEM NAOOO. CASTIGO? DEPENDENDO POODEE. MAS NA RUA VC NAO VAI POR DE CASTIGO OU VAI?
    AGENTE NAO PODE BATER, MAS COLOCAM DESENHOS ANIMADOS ONDE HÁ APOLOGIA A VIOLENCIA, A PORNOGRAFIA E MUITAS OUTRAS PORCARIAS QUE CHAMAM DE ENTRETERIMENTO INFANTIL.
    RESUMINDO...... SE VC AMA DE PAIXAO E  ESTA FAZENDO POR SEGURANÇA, FAÇA! UMA MAE PERDEU UM FILHO ASSASSINADO NUMA BALADA, SE VC PERGUNTASSE PRA ESTA MAE OQ ELA FARIA SE PUDESSE VOLTAR A TRAZ, ELA DIRIA, NAO DEIXARIA ELE TER IDO NESTA FESTA, FUI QUERER SER LIBERAL PARA SER LEGAL E PERDI MEU FILHO.
    NAO SOMOS SUPER NANNY PARA SEMPRE SABER OQUE FAZER E COMO FAZER, SOMOS SIMPLESMENTE MAES QUE AMA NOSSOS FILHOS E QUEREM O MELHOR PRA ELES. E PREFIRO LEVAR MINHA FILHA COM COLEIRINHA PRESA NAS COSTAS COMIGO NO SHOPPING DOQUE SAIR SOZINHA E TER QUE DEIXÁ-LA COM ALGUEM, OU CORRER O RISCO DE UM SIMPLES PASSEIO SE TRANSFORMAR NUM PESADELO SEM FIM.
    ASSISTAM TV, E VERAO: MENINA DE 7 ANOS QUASE SEQUESTRADA NUM SUPERMERCADO, CRIANÇA DE 2 ANOS QUE SOLTA RAPIDAMENTE DA MAO DO AVÓ E CORRE PRA RUA E OS DOIS SAO ATROPELADOS. E MUITOS OUTROS CASOS. POR MAIS QUE A CRIANÇA SEJA EDUCADINHA, ELAS SAO INCONSEQUENTES E IMPREVISTOS PODEM ACONTECER A QUALQUER MOMENTO.

    ResponderExcluir
  16. Não sou a favor da coleira de pulso, pois pode machucar. Mas sou completamente a favor da mochila, acho até q dá uma liberdade maior a criança do q a mãe ficar segurando ela pela mão, os braços da criança ficam livres. Por mais q tentem, as mães não conseguem ficar todo o tempo olhando a criança, sempre tem alguma distração.

    ResponderExcluir

Copyright © 2013 Mamãe de Salto - Layout Personalizado por Giselle Carvalho